A Dupla Hélice da Pandemia Entrelaçada e da Estratégia Económica

Nota Editorial: A Casa das Aranhas publica quase exclusivamente artigos originais dos seus próprios autores. Porém este artigo de Alaistar Crooke faz uma análise tão interessante da maneira como a suposta resposta à pandemia está a ser usada de forma a acelerar a transformação do sistema de produção que sentimos a necessidade de publicar este artigo, originalmente escrito em Inglês e disponível aqui, para Português. A tradução foi feita por António Gil.

A Dupla Hélice da Pandemia Entrelaçada e da Estratégia Económica, por Alaistar Crooke

Três anos atrás, disse a um professor americano do US Army War College em Washington, a respeito da campanha para devolver os empregos americanos de colarinho azul perdidos para a Ásia, que esses empregos nunca voltariam. Eles foram-se para sempre.

Ele respondeu que era exactamente assim, mas eu estava a perder o foco, segundo ele. Os Estados Unidos não esperavam, ou queriam, a maioria desses empregos monótonos de manufactura de volta. Esses empregos deviam ficar na Ásia. As elites, disse ele, queriam apenas as alturas de comando da tecnologia. Elas queriam a propriedade intelectual, os protocolos, as métricas, a estrutura regulatória que permitiria aos Estados Unidos definir e expandir nas próximas duas décadas de evolução tecnológica global.

O verdadeiro dilema, no entanto, disse ele, era: “O que fazer com os 20% da força de trabalho americana que não seriam mais necessários: isto é, não mais necessária para o funcionamento de uma economia norte-americana liderada pela tecnologia?”

Na verdade, o que o professor disse foi apenas uma faceta de um dilema económico fundamental. A partir dos anos setenta e oitenta, as corporações americanas estavam ocupadas transferindo seus custos trabalhistas para a Ásia. Em parte, isso acontecia para cortar custos e aumentar o lucro (o que aconteceu) – mas também representou algo mais profundo.

Desde o início, os EUA têm sido um império expansionista sempre digerindo novas terras, novos povos e seus recursos humanos e materiais. Movimento para frente, a contínua expansão militar, comercial e cultural tornou-se a força vital de Wall Street e da sua política externa. Sem essa expansão implacável, os laços cívicos da unidade americana são questionados. Uma América que não está em movimento não é a América. Isso forma a própria essência da leitkultur dos EUA .

No entanto, isso só aumentou ainda mais o dilema destacado pelo meu amigo acima mencionado. A expansão foi acompanhada por uma enxurrada de expansão de crédito de Wall Street em todo o mundo. O fardo da dívida explodiu e tornou-se pesado demais, equilibrando-se de forma instável numa cabeça de alfinete de garantia subjacente genuína.

Só agora – pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial – esse implacável impulso expansionista estratégico dos EUA foi desafiado pelo eixo Rússia-China. Eles declararam ‘basta’.

No entanto, sempre houve um outro lado nessa dinâmica de transição estrutural ocidental. Seus fundamentos, como o professor sugeriu, não estavam mais no trabalho socialmente necessário contido na fabricação de produtos monótonos, como carros, telefones ou pastas de dentes. Mas, em vez disso, o cerne passou a residir em especulações alavancadas por dívidas altamente inflamáveis ​​sobre activos financeiros como acções, títulos, mercado de futuros e especialmente derivativos, cujo valor é assegurado indefinidamente. Neste contexto, os 20% (ou mais provavelmente 40%) da força de trabalho tornam-se simplesmente redundantes para esta economia altamente complexa, hiperfinanciada e em rede.

Então, aqui temos o segundo dilema: enquanto o encolhimento estrutural da economia do trabalho infla o sector financeiro, a complexa volatilidade deste só pode ser contida por uma lógica de doping monetário perpétuo (injeções perpétuas de liquidez), justificada por emergências globais, exigindo um estímulo cada vez maior.

Como enfrentar esse dilema? Bem, não há como voltar atrás. Isso não é uma opção.

Nesse contexto, o regime da Pandemia torna-se sintoma de um mundo tão distante de qualquer autossuficiência econômica real – adequada para sustentar sua força de trabalho existente – que o dilema só pode ser resolvido (na visão das elites) facilitando a contínua atenuação da velha economia, enquanto os activos financeiros devem ser reabastecidos com adicções regulares de liquidez.

Como gerir isto? Com a abolição gradual do conteúdo de trabalho tradicional em commodities (seja de automação ou off-shore), as corporações usaram a ideologia desperta para se reinventar. Já não produzem apenas ‘coisas’ – fabricam produtos sociais . Eles são partes interessadas na sociedade, ‘fabricando’ resultados socialmente desejáveis: diversidade, inclusão social, equilíbrio de género e governos responsáveis pelo clima. Essa transição já produziu uma cornucópia de nova liquidez ESG fluindo através de artérias econômicas calcificadas.

E a Pandemia, é claro, justifica o estímulo monetário, enquanto a emergência de ‘saúde’ climática é preparada para legitimar uma maior expansão da dívida, para o futuro.

O analista financeiro Mauro Bottarelli resumiu a lógica disso da seguinte forma: “Um estado de emergência sanitária semipermanente é preferível a um crash do mercado vertical que transformaria a memória de 2008 num passeio no parque”.

O professor de Teoria Crítica e Italiano da Universidade de Cardiff, Fabio Vighi, também notou a “incurabilidade” do que ele chama de “condição do Banco Central Longo-Covid ” – que a injecção de um estímulo monetário tão grande como vimos, foi só seria possível desligando o motor da Main Street, pois tal cascata de liquidez (US$ 6 trilliões) não poderia fluir indiscriminadamente para a economia da Main Street (na opinião dos banqueiros centrais), já que causaria um tsunami inflacionário ”tipo” República de Weimar. Em vez disso, o principal impulso serviu para inflar ainda mais o mundo virtual de instrumentos financeiros cada vez mais complexos.

Inevitavelmente, no entanto, juntamente com os engarrafamentos da cadeia de suprimentos, o jorro de liquidez fez com que a inflação da Main Street aumentasse e, portanto, impôs mais danos no terreno.

O objetivo de gerir a atenuação da manufactura por um lado (‘lockdown’ das pequenas empresas), enquanto a liquidez fluía livremente para a esfera financeirizada (para adiar um crash do mercado) falhou. A inflação está a acelerar, as taxas de juros vão subir, e isso trará consequências sociais e políticas adversas no seu rasto: ou seja, raiva, em vez de obediência.

No cerne da situação para aqueles que dirigem o sistema está que, se eles perdessem o controlo da criação de liquidez – seja como resultado de aumentos das taxas de juros, ou de crescente dissidência política – a recessão que se seguiu derrubaria toda a sociedade. tecido económico abaixo.

E qualquer recessão severa provavelmente causaria estragos na liderança política ocidental também.

Eles optaram, portanto, por sacrificar a estrutura democrática, a fim de implantar um regime monetário enraizado num culto de ciência e tecnologia de propriedade corporativa, propaganda da media e narrativas de desastres – como meio de progredir em direcção a uma tecnocracia “aristocrática” apoderarando-se da cabeça do povo. (Sim, em certos ‘círculos’, é pensado como uma aristocracia do dinheiro recém-ascendente).

A pandemedia está a ser usada para introduzir novos mecanismos de vigilância e controle

O Professor Vighi disse:

“As consequências do capitalismo de emergência são enfaticamente biopolíticas. Elas dizem respeito à administração de um excedente humano que se tornou supérfluo para um modelo reprodutivo amplamente automatizado, altamente financeirizado e implosivo. É por isso que o Vírus, a Vacina e o Passaporte Covid são a Santíssima Trindade da engenharia social.

Os ‘passaportes de vírus’ destinam-se a treinar as multidões no uso de carteiras electrónicas que controlam o acesso a serviços públicos e meios de subsistência pessoais. As massas despossuídas e redundantes, juntamente com as que não cumprem, são as primeiras da fila a serem disciplinadas por sistemas digitalizados de gestão da pobreza supervisionados directamente pelo capital monopolista.

O plano é tokenizar o comportamento humano e colocá-lo em registros de blockchain executados por algoritmos. E a disseminação do medo global é o bastão ideológico perfeito para nos levar a esse resultado”.

O ponto de vista do professor Vighi é claro. A campanha de vacinas e o sistema Green Pass não são disciplinas de saúde independentes. Eles não são sobre ‘a Ciência’, nem pretendem fazer sentido. Eles estão primordialmente ligados ao dilema econômico das elites, e servem também como uma ferramenta política, pela qual uma nova dispensação monetária pode deslocar a democracia. O presidente Macron revelou o não declarado em voz alta, quando disse: “Quanto aos não vacinados, eu realmente quero irritá-los. E vamos continuar a fazer isso, até o fim. Essa é a estratégia”.

O primeiro-ministro italiano Draghi também intensificou os ataques aos não vacinados, tornando as vacinas obrigatórias para todos os maiores de 50 anos e impondo restrições significativas a qualquer pessoa com mais de 12 anos. Novamente, embora ‘seguir a ciência’ seja o mantra, essas medidas não fazem sentido: a variante Omicron infecta predominantemente os duplamente vacinados, não osa não vacinados. Isso nunca é admitido. Ambos os líderes estão desesperados: eles precisam de ‘liquidar’ as suas economias – e logo.

De fato, o Dr. Malone, líder dos EUA, o pai das vacinas de mRNA, escreveu sobre aqueles que apontam tais inconsistências e falta de lógica – apenas dois meses antes de sua conta no Twitter ser suspensa – num post bastante profético no Twitter :

“Vou falar sem rodeios”, escreveu.

“Os médicos que se manifestam estão a ser activamente caçados por conselhos médicos e pela imprensa. Eles estão a tentar deslegitimar-nos e nos caçar-nos, um a um.”

Ele terminou alertando que isso “não é uma teoria da conspiração”, mas “um facto”. Ele exortou todos a “acordar”.

Como o Telegraph observou, cientistas britânicos de um comité que incentivou o uso do medo para controlar o comportamento das pessoas durante a pandemia de Covid admitiram que seu trabalho era “antiético” e “totalitário”. Os cientistas alertaram em março de 2021 que os ministros do Reino Unido precisavam de aumentar “o nível percebido de ameaça pessoal” do Covid-19, porque “um número substancial de pessoas ainda não se sentia suficientemente ameaçado pessoalmente”. Gavin Morgan, psicólogo da equipa, disse: “Claramente, usar o medo como meio de controle não é ético. Usar o medo cheira a totalitarismo”.

Outro membro do SPI-B disse: “Poderíamos chamar a isto psicologia de ‘controlo da mente’. Isso é o que fazemos… claramente tentamos fazer isso de uma maneira positiva, mas isso foi usado de forma nefasta no passado”. Outro colega alertou que “as pessoas usam a pandemia para tomar o poder e passar por coisas que não aconteceriam de outra forma… Temos que ter muito cuidado com o autoritarismo que se vem insinuando”.

No entanto, o problema é mais profundo do que um pouco de “psicologia de cutucada”. Em 2019, a BBC estabeleceu a Trusted News Initiative (TNI) , uma parceria que agora inclui muitos media tradicionais. A TNI foi ostensivamente projectada para combater a influência narrativa estrangeira durante os períodos eleitorais, mas expandiu-se para sincronizar todos os elementos das mensagens e eliminar desvios no amplo domínio dps media e das plataformas de tecnologia.

Esses ‘pontos de discussão’ sincronizados são mais poderosos (e insidiosos) do que qualquer ideologia, pois funcionam não como um sistema de crenças ou ethos, mas sim como uma ‘ciência’ objectiva. Não se pode discutir nem se pode opor à Ciência (com ‘C’ maiúsculo). A ciência não tem adversários políticos. Aqueles que a desafiam são rotulados de “teóricos da conspiração”, “anti-vaxxers”, “negadores da Covid”, “extremistas” etc. E, assim, a narrativa patologizada do Novo Normal também patologiza seus oponentes políticos: despojando-os de toda legitimidade política.

O objetivo, obviamente, é o cumprimento forçado. Macron deixou isso claro.

Separar a população com base no estado de vacinação é um evento que marca uma época. Se a resistência for anulada, uma identidade digital obrigatória pode ser introduzida para registrar a ‘correção’ de nosso comportamento e regular o acesso à sociedade.

A Covid foi o cavalo de Tróia ideal para esse avanço. Um sistema global de identificação digital baseado na tecnologia blockchain foi planeado há muito tempo pela ID2020 Alliance , apoiada por gigantes como Accenture, Microsoft, Fundação Rockefeller, MasterCard, IBM, Facebook e a onipresente GAVI de Bill Gates.

A partir daqui, a transição para o controle monetário provavelmente será relativamente suave. Os CBDCs permitiriam aos banqueiros centrais não apenas rastrear todas as transações, mas especialmente desativar o acesso à liquidez, por qualquer motivo considerado legítimo.

O calcanhar de Aquiles de tudo isso, porém, é a evidência de uma genuína resistência popular à supressão pelas plataformas tecnológicas de toda opinião dissidente (por mais qualificada que seja sua fonte); pela recusa em permitir às pessoas uma escolha informada sobre o seu tratamento médico; e por restrições arbitrárias que podem envolver perda de meios de subsistência impostas por decreto, e amparadas por leis de emergência, restringindo o protesto popular.

Mas, mais significativa e paradoxalmente, a variante Omicron pode cortar as pernas daqueles líderes políticos que pretendem dobrar. É bem possível que esta variante leve (pouco letal), mas altamente contagiosa, possa vir a ser a ‘vacina’ da Natureza, dando-nos uma ampla medida de imunidade – ostensivamente melhor do que a oferecida pelas ‘vacinas’ da Ciência!

Já observamos que os estados europeus estão confusos e em desacordo entre si – adotando linhas políticas diametralmente opostas: alguns terminando restrições e alguns decretando cada vez mais. Outros países, como Israel, vão reduzindo as restrições e adoptam uma política de imunidade colectiva.

É claro que o corolário do colapso da iniciativa tecnocrática de liquefazer a economia superalavancada pode muito bem ser a recessão. Essa, infelizmente, é a lógica da situação.

 

Artigo original de Alaistar Crooke, traduzido por António Gil.

Partilhar Artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
Artigos recentes
Inscreva-se no blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para se inscrever neste blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Join 337 other subscribers
Número de visualizações
  • 1.173.568 hits

Deixe o Seu Comentário!