Bolite: A Doença Social Portuguesa

“O futebol é hoje um processo de captura e alienação dos cidadãos e de sequestro do poder político”
Ana Gomes

Portugal, enquanto sociedade, vive há demasiado tempo numa situação de doença social a que designo de “Bolite”. Em medicina o sufixo -ite (do grego “itis”) é usado para indicar uma doença ou inflamação do órgão ou da estrutura anatómica indicada no radical, neste caso, “Bola”. Assim, a Bol-ite será comparável, no campo das doenças sociais a outras doenças de natureza inflamatória: bronquite, meningite ou a artrite e a comparação é justa porque representa a posição exagerada e inflamada que hoje, em Portugal, o Futebol ocupa na Comunicação Social, na Política, na Justiça, no todo social, em geral.

Há muito que o futebol deixou de ser um desporto para se tornar num espectáculo de movimenta muitos milhões de euros todos os anos e ao qual os políticos profissionais anseiam por figurar para procurarem assim capitalizar alguns votos. Os “donos da Bola” (os empresários e dirigentes desportivos) sabem disso, sabem que vivem numa sociedade padecendo de Bolite e aceitam de bom grado a exagerada posição social que esta doença lhes garante assim como uma certa tolerância nos seus desvios legais e aos seus escapulimentos crónicos aos deveres fiscais.

É preciso aceitar que vivemos num país doente de Bolite para conseguir compreender como é possível que a preferência clubística inflamada de um juiz seja razão suficiente e credível para que um magistrado peça escusa de um processo. O problema é que:
1. não é normal isto ser plausível
2. não é normal um juíz ser “doente da Bola” (#Bolite)
3. não é normal um juíz ser escusado de um processo por causa do seu clube
em suma: não é normal.

É igualmente importante perceber porque é que um sistema de justiça que faz escutas por arrastão é tão garantivista em relação aos alvos de Rui Pinto e se esta contradição é mais uma manifestação de Bolite. Seja qual for a resposta o certo é que França copiou os discos de Rui Pinto porque temia que a influência do futebol na justiça portuguesa os destruísse e isso diz muito mais do que gostaríamos sobre a imagem externa da nossa Justiça e dos nossos juízes.

O facto desta anormalidade ser normal neste país recorda-nos a imperativa necessidade de revisitar o tema da forma como são escolhidos e mantidos em funções os nossos magistrados:

1. É preciso exigir que aqueles que ascendam a essa classe (central à qualidade do nosso regime democrático) são adequadamente seleccionados e preparados para a função e esta selecção e preparação não pode limitar-se a uma formação teórica numa escola de ensino superior (Centro de Estudos Judiciários) e um estágio. A admissão a uma função tão central para o Estado de Direito e a ascensão a uma classe tão cumulada de privilégios e a um órgão de Soberania deve exigir uma idade mínima superior à actual, uma experiência de vida mínima e um currículo profissional na área da Justiça. Não pode ser apenas o culminar de um curso especializado…

2. Por outro lado, uma vez tornado juiz um cidadão deve ser escrutinado e a sua competência avaliada, não pelos seus pares (sobretudo não numa classe tão corporativa como a dos juízes) mas por terceiros, num processo mais aberto, participado e democrático que envolva os cidadãos sendo de avaliar a eleições de alguns juízes num formato idêntico ao que sucede em algumas circunscrições nos EUA: os cidadãos elegem os novos magistrados e confirmam a sua permanência no cargo, mas sem indicação da preferência partidária de cada magistrado (como acontece em alguns Estados dos EUA).

3. A sucessão de casos (nem todos sintomas de Bolite) que colocam em causa a qualidade de muitos juízes leva à pergunta: sabendo que os juízes dos tribunais de primeira instância são periódica e regularmente inspecionados pelo Conselho Superior da Magistratura (no caso dos juízes dos tribunais judiciais) e pelo Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais (no caso dos juízes destes tribunais) será que esta avaliação é eficaz e produz resultados, designadamente afastando – devido às más avaliações – os maus juízes? Se a resposta for negativa (ver caso do juiz Rangel) então é porque o sistema de auto-avaliação de juízes dentro da sua própria classe profissional não está a funcionar ou porque, pelo menos, precisa de ser democratizado através do método democrático acima descrito (como forma de desencadear um processo urgente e extraordinário de avaliação ou de confirmação do afastamento de um mau juiz).

Rui Martins

Partilhar Artigo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on google
Google+
Artigos recentes
Inscreva-se no blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para se inscrever neste blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Join 324 other subscribers

Número de visualizações
  • 1.091.741 hits

Deixe o Seu Comentário!