Reeducar o século XXI

“Para que me serve saber de fragmentos – ter informação (…) – se isso não me dá a esperança de sabedoria – conhecimento (…)?”, auto-citação dos comentários de Será possível reeducar o século XXI?

 

Após 20 anos a estudar prisões, aprendi que aquilo que já sabia era bastante mais importante do que aquilo que imaginava no início.

Comecei a estudar prisões porque li um artigo de jornal de um preso que denunciava a corrupção vigente nas prisões. Escrevi-lhe uma carta a dizer que a sua caracterização das prisões correspondia àquilo que se vive também na sociedade em geral. O meu interlocutor, António Alte Pinho, convidou-me para colaborar num trabalho cívico de denúncia sistemática do que se passava nas prisões. A esta distância, apesar das perseguições de que fomos alvo, dos incómodos que causámos, dos companheiros de luta que encontrámos, de raros resultados positivos na vida de raras pessoas, aprendi que a indiferença generalizada com que as sociedades recebem as notícias sobre recorrentes crimes institucionais nas prisões – que os escândalos ocasionais e as reformas prisionais não alteram – essa indiferença se deve ao facto de os cidadãos também estarem presos (Boétie, 1997; Dores, 2018), embora o pátio fora das prisões seja maior.

Percebi logo de início que a corrupção, dentro e fora das prisões, era a mesma. Iludi-me pelo facto de acreditar que eu era mais livre para a combater. Não percebi, então, que a minha liberdade pessoal e social é indissociável da liberdade oficialmente sequestrada dos presos. Percebo-o agora.

E compreendo também porque é que os meus colegas, os meus alunos, os meus leitores, têm dificuldade em aprender aquilo que eu aprendi: para o fazer, para aceitar que o destino aprisionado de cada um de nós e o dos presos é o mesmo, é preciso admitir a nossa desprotecção fundamental perante a vida e a natureza. É preciso não acreditar em nada, por assim dizer.

Ainda que seja apenas um esforço intelectual, sem consequências imediatas na prática, protegemo-nos compreensivelmente de aceitar que estamos intimamente dependentes daquilo que não temos modo de controlar. Do mesmo modo que há quem se suicide por receio de morrer, a humanidade, paulatinamente, tem-se vindo a entregar a uma rede global de estados que nos tratam da saúde, em troca do nosso trabalho na exploração da Terra. A ciência moderna, por exemplo, reduz-se à sua versão pragmática e utilitária de formação de empregabilidades profissionais e, embora não possa evitar os devaneios, condena-os, evita-os, censura-os e isola-os.

Socialmente, acreditamos piamente que o estado e a ciência nos protegem da parte selvagem da natureza, como os desastres naturais ou as pandemias. Por isso, estamos desarmados perante a sucessão de desastres que nos acometem, como a guerra, a falência do sistema financeiro global, o retorno dos neofascistas à política, o confinamento universal para lidar com uma pandemia: como os presos, não somos donos dos nossos destinos, entregues à guarda dos estados e das suas ciências.

A geração mais educada de sempre está inerte perante estados e ciências exploradoras da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos. Imaginamo-nos donos da Terra e trabalhamos como recursos das elites para a sua exploração. Sabemos hoje que isso é desastroso e que os sucessivos desastres naturais são, afinal, provocados pela acção humana. Porém, somos incapazes de fazer outra coisa que não seja aquilo que temos feito nas últimas décadas: criar stress na Terra, extinguir espécies de vida, arriscar o mesmo destino para a humanidade. Estamos presos e somos os nossos próprios carcereiros, orientados por estados e escolas perversas que todos conhecemos e a que todos prestamos homenagem.

Tornei-me sociólogo abolicionista, sociólogo e cidadão que se nega a si próprio sem vergonha, consciente de ser, como toda a gente, um colaborador da exploração da Terra. Como dizem os alcoólicos anónimos, sou doente sem remissão. Ao contrário deles, não posso manter-me abstémio: participa na sociedade exploradora todos os dias. O que posso fazer é sujeitar-me a um regime de reeducação. Como me diz a experiência dos ex-presos, o mais certo é voltar ao mesmo, situação de que nunca saí de facto. Mas a esperança é a última a morrer…

Então, escrevi um livro para “Reeducar o século XXI”, apelo à participação dos leitores no sentido de se libertarem dos estados e das ciências que nos orientam de maneiras tão manifestamente perversas. A sugestão não é a de mobilizar uma guerra. Dessas já há muito. Ao invés, a sugestão é a de identificarmos aquilo que já sabemos e que não valorizamos por nos acobardarmos perante o poder: estamos presos por ele e não temos de ter vergonha de nos querermos libertar.

Porque trabalho em ciências sociais, a minha esperança refere-se ao modo como elas se podem tornar verdadeiras ciências através da ciência centrífuga, uma estratégia que já se pratica de libertação da ciência, mas que os estados e as escolas censuram, negam e escondem.

São as escolas e os estados que limitam as nossas pessoas a reduzirem-se a indivíduos. Formados para trabalhar como recursos humanos na exploração da Terra, os indivíduos depositam, à força, confiança no ensino e no estado, na esperança de que garantam às nossas famílias (e não a toda a humanidade) segurança contra as investidas da natureza, imaginada nossa inimiga. Defesa dos próprios estados, quando fazem guerras ou prendem pessoas ou estão indiferentes ou cúmplices face à miséria.

Vivemos assim em resultado de chantagens emocionais, de isolamento social, e não de clareza de espírito partilhada. Entendemos, geralmente, o trabalho como sacrifício, porque sabemos estar a sacrificar a Terra. Sacrificamos alguns de nós (muitos de nós) quando os enviamos para a guerra, para as prisões, para servi em profissões, para ter boa consciência enquanto fazemos o que vamos fazendo, delegando responsabilidades nos superiores, nas hierarquias que nos traem como pessoas e espécie viva.

Será possível reeducar o século XXI? O que posso oferecer a este respeito são algumas sugestões de pensamento e acção a quem ler o livro. Para ler mais notas sobre o assunto ver “Apresentação e discussão dos livros”.

 

Referências:

Boétie, L. (1997). Discurso Sobre a Servidão Voluntária (Antígona (ed.)), escrito em 1563.

Dores, A. P. (2018). Presos são eles; presos estamos nós. Revista Eletrônica Da Faculdade de Direito Da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), 4(1), 13–46.

 

Partilhar Artigo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on google
Google+

Uma resposta

  1. O texto do António aborda com certeza uma série de pontos da maior importância, a começar pela noção de que estamos todos presos, uns mais que outros evidentemente. Talvez o termo mais adequado seja “condicionados”, visto os condicionamentos estarem por todo o lado. Na raiz desta situação, o António evoca o Império que culpa igualmente e muito bem pela emergência ecológica relacionada com a oposição ou até guerra entre homem e natureza.
    Creio que a visão do Império assim apresentada e como é comum aos académicos, pode fazer passar a ideia de que se trata de algo muito abstrato, vago, difuso, mas nada poderia estar mais longe da verdade. O Império é uma realidade muito concreta e palpável, pois é constituído por sistemas, organizações e homens de carne osso, reais e objectivos, como objectivas são as suas actuações entre nós. Senão vejamos:
    No topo da pirâmide encontramos duas corporações, a Vanguard e a BlackRock, as maiores firmas de gestão financeira do mundo que formam uma espécie de monopólio reservado que possui quase tudo o que existe, desde o Big Pharma às empresas mediáticas e muitas outras companhias e grupos.
    A maioria das acções de todas as grandes companhias estão na posse daquele restrito grupo de investidores institucionais, significando por exemplo que marcas que aparentemente competem entre si, como a Pepsi e a C.Cola, são detidas pelos mesmos fundos de investimento especulativo, seguradoras e bancos.
    Os activos dos pequenos investidores são propriedade de investidores maiores e os destes por outros ainda maiores, até chegarmos ao nível mais elevado onde pontificam os dois gigantes referidos, os quais, segundo a Bloomberg, gerem em conjunto fortunas superiores a $ 20 triliões (dados de 2018).
    Os donos da Vanguard são grandes apologistas do GREAT RESET e do seu essencial objectivo de transferência total da riqueza e propriedade das mãos dos muitos para as mãos dos muito poucos. Interessantíssimo também é o facto de a Vanguard ser o maior accionista da BlackRock e ter uma estrutura accionista intrincada que torna difícil discernir a sua propriedade. É possuída por vários fundos que por sua vez são propriedade de outros accionistas, destacando-se algumas das famílias mais ricas do mundo. Destas podemos destacar a Rotchild Investment Corporation e a Edmond De Rotchild Holding, seguidos da família Orsini, família Bush, família real britânica, família DuPont, Morgans, Rockefellers, etc.
    Segundo fontes de Wall St., a BlackRock e a Vanguard são os maiores accionistas da GlaxoSmithKline, Pfizer e outras grandes farmacêuticas. Ambas são igualmente maioritárias no capital do NY Times, Time Warner, Comcast, Disney e News Coporation, os gigantes dos media que controlam 90% da paisagem mediática americana. Assim, o mundo corporativo parece um intrincado labirinto onde todos se possuem uns aos outros. Ainda mais decisivo é que ambos os gigantes trabalham em estreita ligação com a RF e alguns dos maiores bancos. Ao todo, possuem 1600 das maiores empresas do mundo com vendas combinadas de $9 triliões. Se a estes dois lhes juntarmos a que vem em 3º lugar, a State Street, temos um trio que controla 90% de todas as maiores cotadas no S&P 500, incluindo os 4 grandes gigantes das plataformas tecnológicas Amazon, Apple, Microsoft e FB.
    Não admira portanto que a narrativa do C-19 seja aquela “versão única da verdade” que todos os dias nos é apresentada servilmente pelas elites e media submissos a tal poder.

Deixe o Seu Comentário!

%d bloggers like this: