Porque é que a política está disfuncional? (I)

Nas últimas décadas, o capitalismo tornou-se o único jogo disponível. A oposição resiste e colabora. Com tal oposição, nem mesmo a refundação do capitalismo, sugerida por Sarkozy e pelo The Economist, se mostrou necessária.

Como é possível os povos continuarem a aguentar a exploração capitalista? A resposta é, estão subjugados pelo império que lhes impõe que colaborem com ele, alegando precisamente a verdade: à falta de imaginação, e também por medo e falta de moral, resta-nos competir de forma a promover o capitalismo, esperando anestesiados que as promessas de bem-estar, paz, progresso se realizem, mesmo contra todas as evidências.

 

Admitindo que a política corresponde à aspiração tácita dos povos de participarem na construção de sociedades melhores do que aquelas em que vivemos, sociedades que justificam para alguns a violência revolucionária ou civilizadora, há que reconhecer que a política (corrupta? ou errada?) não está a corresponder.

Perante a falência do sistema financeiro, em 2008, fizeram-se ouvir protestos para os lados da Grécia, sem sucesso. Desde então, talvez não por acaso, muitos eleitores passaram-se de armas a bagagens para partidos neo-nazi-fascistas. Uma parte da opinião pública, mesmo se envergonhada, já tinha anteriormente adoptado uma atitude de simpatia perante o terrorismo islâmico e volta a adoptar uma postura de compreensão perante a agressão de Putin na Ucrânia. Tais sentimentos nas sociedades ocidentais são minoritários. Mas são combatidos de modo tão persistente e recorrente pela comunicação social de referência, como um serviço ao status quo, que podem estar a ser produzidos pela guerra híbrida, isto é, pela política e economia de guerra, não declarada, que se instalou paulatinamente depois da distensão provocada pela implosão da União Soviética.

Espantados, somos informados da intervenção estrangeira de hackers profissionais nas eleições norte-americanas (uns ingleses e outros russos), capazes de manipular as mentes dos eleitores, levando-os a votar algoritmicamente em quem estão condicionados a votar. Entretanto, Assange está preso aos olhos do mundo, por requisição dos sucessivos Presidentes dos EUA, por espionagem – denúncia de crimes de guerra e corrupção financeira. Provando que a sensibilidade jurídica e política imperial para censurar a informação compreensível e evidente do jornalista perseguido pelo mundo livre é maior do que à necessidade de defesa da integridade da democracia, cujos votos são tratados como um mercado eventualmente susceptível a mensagens subliminares.

No pós-guerra, a política não foi propriamente entusiasta dos direitos humanos. Queria, sobretudo, direitos sociais, coisas concretas eficazes no dia-a-dia dos países ricos. O estado social foi montado para criar esse tipo de direitos, como à saúde, ao trabalho, à educação, à auto-determinação. Com o surgimento do neoliberalismo, nos anos 80, as finanças de Keynes foram substituídas pelas de Hayek. A economia mista foi substituída pela economia global. O socialismo foi metido na gaveta, diluído na terceira via. No caminho, o socialismo real desistiu de existir. Os direitos, incluindo os direitos humanos, foram-se dispersando, especializando-se, banalizando-se. O futuro passou a estar outra vez escrito no destino: alegadamente “não há alternativa!” nem dinheiro para veleidades. O desejo de progresso foi substituído pela finalidade do crescimento económico, sem o qual tudo pioraria, como continua de facto a piorar.

A partir de 2010, a política de combate (ou será manutenção?) das práticas financeiras aberrantes que causaram a falência de 2008 provou que falta de dinheiro e falta de descaramento não há. Porém, todos os partidos políticos acordaram entre si em manter inquestionada a ficção de que tudo vai bem no melhor dos mundos possível, à espera de Godot, o retoma do crescimento sustentado. Putin, ao anunciar a sua operação especial na Ucrânia, pois as guerras terão acabado, alegou que imaginou que tinha chegado o tempo de marcar a decadência do dólar e do euro no mundo. A globalização unipolar norte-americana seria substituída, diz-nos, por uma globalização multipolar, conforme os desígnios de Xi Jinping, que agradece.

Em 2022, as guerras híbridas passaram a ser oficialmente de iniciativa multipolar. Na Ucrânia, a NATO perdeu a iniciativa. Fornece armas e assiste ao desenrolar dos acontecimentos. A vida de milhões de pessoas em todo o mundo são meros efeitos colaterais.

A nossa civilização caracteriza-se por elevar o genocídio a arte bélica, reduzindo drasticamente as oportunidades de diversidade da vida, incluindo a diversidade das culturas humanas. Quem passou a mandar nos antigos territórios onde se experimentou e falhou o socialismo real, cada um à sua maneira, abandonou as políticas de esquerda, pois deixou de haver protecção imperial para elas. O alinhamento com as políticas capitalistas foi regra. Ao Kremlin, o capitalismo não trouxe problemas. O império trouxe. Os jogos políticos e militares ocidentais de distanciamento e de condicionamento das elites russas foram sentidos e recalcados em Moscovo. Assim, foi possível beneficiar dos financiamentos ocidentais para reconstruir as forças armadas russas, até ser julgado oportuno reafirmar a existência do império russo.

Em resumo, na mente da humanidade actual, o capitalismo, reconhecidamente e com a aprovação geral, é funcional. Na verdade, mesmo em presença das questões ambientais e de o facto de a guerra nuclear parecer hoje apenas uma antecipação daquilo que a poluição industrial já promete no médio prazo, o consenso em torno da indispensabilidade do capitalismo para alimentar 8 mil milhões de pessoas é dominante. Como se diz, a partir de certo patamar de população, há que reconhecer a indispensabilidade das organizações hierárquicas e meritocráticas para sustentar tanta gente. A questão, então, é saber quem melhor dirige o capitalismo: os EUA ou a China? A hegemonia da superpotência ou o pluralismo das potências regionais que alegadamente respeitam as respectivas fronteiras? Quais fronteiras? As nacionais ou as de esferas de influência ou as culturais ou as linguísticas?

Continua

Partilhar Artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
Artigos recentes
Inscreva-se no blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para se inscrever neste blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Join 335 other subscribers
Número de visualizações
  • 1.166.134 hits

Deixe o Seu Comentário!