Vitório Cardoso (PSD): “Nada mais parecido com um fascista do que um liberal assustado”

A bandeira suprapartidária de “Portugal não é racista” mal conseguiu esconder a real composição de classe e política da marcha de 27 de julho último: uma das primeiras demonstrações públicas do partido de extrema-direita CHEGA. A manifestação, que percorreu vias até estacionar na Praça do Comércio, felizmente, não chegou a comprometer o necessário distanciamento social, visto que esse singular agrupamento “antirracista” não congregou mais do que 1200 elementos à retaguarda de André Ventura – isto de acordo com contagens optimistas da PSP, que talvez possam ser corretamente reavaliadas posteriormente, a partir de filmagens e fotos.

Mas uma competição de quem põem mais pessoas na rua – “esquerda” ou “direita” – não é agora a questão. Focaremos em um detalhe, somente em um deles, que não pôde passar desapercebido: A presença militante de Vitório Cardoso.

Vitório Rosário Cardoso é liderança da secção macauense do PSD – Partido Social Democrata, e membro do Conselho Nacional deste partido liberal de direita auto-enquadrado como “social-liberal” e “socialdemocrata”. De posição liberal na economia, nacionalista na cultura e conservadora nos costumes (a típica receita dessa vertente de populismo), o CHEGA! é só mais um no “círculo de amizades” que Vitório Cardoso historicamente mantém com a direita que flerta com o fascismo – como muitos envoltos no manto do “liberalismo” e da “democracia”. O CHEGA, aliás, não passa de uma criança rebelde que foi parida, amamentada e crescida no seio do próprio PSD, e que agora quer ganhar as ruas com rumo próprio.

Vitório Cardoso, do PSD, é o gajo para o qual a polícia política do fascismo salazarista em defesa da “unidade”, da “soberania nacional” e, claro, da “liberdade” – sempre a “liberdade”!

Vitório Cardoso, do PSD, é o gajo que, em cima de sabe-se lá qual posição confortável, saboreou os anos de salazarismo como sendo uma época de “paz” e “estabilidade”.

Vitório Cardoso, do PSD, participou, com a bandeira de seu partido em punho, do ato-comício do CHEGA em 27 de junho de 2020.

Vitório Cardoso, do PSD, é o típico camarada que Bertolt Brecht um dia falara sobre:

Não há nada mais parecido com um fascista do que um liberal assustado.”

Realmente,

não há nada mais parecido com um fascista

do que um PSD desmoronando-se enquanto partido.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s