A demolição do Teatro Nacional de Tirana

Teatro Nacional em Tirana

A Albânia é membro da NATO e candidato oficial à entrada na União Europeia. Corre uma petição internacional sobre o assunto.

A este respeito recebi uma mensagem de alguém ligado às artes, que vive em Tirana. Traduzi e divulgo, sem divulgar o nome de quem escreve, que só serviria para eventuais represálias, pois não é pessoa conhecida do público:

Caros amigos,

No espírito da pandemia, de coração despedaçado, devo informar que, na Albânia, o Partido Socialista no poder, que está sentado sozinho no parlamento, porque a oposição se recusa a sentar-se no parlamento com pessoas que compraram os votos, havendo muitas evidências de fraudes eleitorais denunciadas e provadas, e beneficiando de 6 anos sem haver tribunais a funcionar, nem mesmo um Tribunal Constitucional, devido a um processo sem fim e corrupto de construção de um novo sistema judiciário “justo”, com apoio e na verdade estimulado quase pela força pela Embaixada Americana em Tirana, desde a administração democrata americana (uma reforma bastante longa), em tal situação, violando a constituição e emitindo uma lei que concede propriedade pública a certos “investidores” por ajuste directo e por proposta dos próprios investidores, sem alegar nenhum interesse de Estado; violando algumas outras leis sobre preservação de monumentos; violando algumas outras leis sobre previsões de debates públicos; com total falta de transparência; tudo foi ultrapassado para mudar o de uso de um espaço público em funcionamento. O Partido Socialista demoliu o único Teatro Nacional da Albânia, contra todas as leis e após 2,5 anos de resistência social.

O partido alegou todo o tipo de coisas a respeito do prédio, como declarando-o perigoso, o que não era verdade. Isso foi facilmente verificado quando o prédio não teve sequer uma fenda após o devastador terremoto de final de Novembro do ano passado. Alegou que era feito com materiais baratos, mas o edifício era um estudo de caso para arquitectura e, tendo sido construído com os primeiros materiais pré-fabricados ao mesmo tempo leves, resistentes e acústicos. Alegou que era um edifício fascista (os italianos construíram-no, como aos outros edifícios principais em Tirana antes e durante a ocupação), mas o prédio serviu muito bem, em 1945, como o lugar onde os comunistas realizaram julgamentos públicos falseados para liquidar a elite albanesa. O Teatro Nacional foi o primeiro lugar em que se inaugurou uma escola profissional de actores e é o único edifício fortemente relacionado com a história do Teatro Albanês (para pessoas como eu que estudaram na Academia de Belas Artes, era o nosso santuário , igreja, mesquita, Meka, era um lugar sagrado). O problema é que o primeiro-ministro Edi Rama queria que fosse demolido há 20 anos (portanto, esta é uma longa batalha entre ele e artistas de diferentes gerações) e ele diz isso descaradamente em público. Quer construir arranha-céus no território público (do mesmo modo como fez com o Estádio Nacional).

Aproveitando-se da situação de pandemia, Rama decretou um estado de emergência e uma lei que prevê multas pesadas para quem sair do confinamento (os casos da Covid albanesa foram muito baixos, provavelmente devido à vacinação anterior que tivemos contra a malária). Em colaboração com o prefeito de Tirana, Erion Veliaj (que está no poder apenas com 15% dos votos, já que o Partido Socialista foi o único a entrar nas eleições municipais, violando o decreto do presidente para o adiamento das eleições, até que houvesse condições para a oposição participar: a Albânia é, na prática, um estado monopartidário) o partido violou todas as leis possíveis e desenvolveu um processo conspirativo, até que às 4h30 da manhã do domingo, demoliram o Teatro Nacional da Albânia (anexo) com forças policiais inimagináveis, arriscando até a vida dos activistas que estavam dentro do prédio para o proteger, havia 2,5 anos.

(Protestos contra a demolição)

Início da demolição do Teatro Nacional em Tirana
(atrás do edifício vêm-se activistas a escapar: esta cena foi filmada a partir do Ministério do Interior)

Através do processo de demolição, eles também demoliram as últimas instituições democráticas da Albânia. Edi Rama e Erion Veliaj (lembre-se desses nomes) agora governam livremente com seus oligarcas e mafiosos, que continuam a viver da plantação de cannabis em toda a Albânia. A polícia do estado é parte do seu tráfico de drogas. Infelizmente, a Albânia viu o mesmo padrão de acontecimentos em 1945. Aqui a história parece estar a repetir, mas muitos albaneses não conhecem a nossa história e como acabámos numa das ditaduras mais brutais da Europa. Durante esses últimos 30 anos os comunistas ainda seguram o poder e fazem todos os esforços para manterem as pessoas sem consciência da história real e de como eles chegaram ao poder. Dolorosamente, tenho que dizer que foram bem-sucedidos.

Muitos de vós podem alegar que estas não são acções conduzidas por pessoas de esquerda. Mas tentem convencer-me, por favor, depois do tio do meu pai, um comunista de coração e de ideais, parte dos fundadores do Partido Comunista, três dias da noite da sua fundação, foi morto traiçoeiramente por Enver Hoxha: alegou que nenhum jugoslavo deveria fazer parte do partido comunista albanês, pois seria sempre um traidor ao nosso país. Essa acusação perdura por gerações contra a minha família, por parte de Hoxha e do partido comunista, devido ao seu idealismo e amor à Albânia do meu tio. Eu lutei pessoalmente, desde os 16 anos, contra o estado opressivo de Berisha, que apesar de ser o chefe do Partido Democrata da Albânia (o nosso partido de “direita”, que nunca foi e nem hoje é de direita), era filho de um comunista e usava os mesmos métodos; lutei pela liberdade de expressão contra um descendente dos comunistas, pois usava os mesmos métodos; luto pela liberdade de expressão (há 2 anos que escrevo artigos sob pseudónimo) e pela preservação dos espaços públicos, que estão a ser devorados pelos oligarcas com os quais Rama e Veliaj trabalham; por favor, tente convencer-me de que há esperança de os esquerdistas em acção e no poder não serem piores que os de direita. A história e a experiência provaram-me que os esquerdistas no poder são um inimigo sorrateiro a que ninguém se consegue opor, pois as suas palavras não correspondem às suas acções.

Lamento partilhar um e-mail tão sombrio convosco, mas achei que isso fornecerá um ponto de reflexão para qualquer pessoa, ao mostrar como a teoria e a prática, especialmente as teorias da esquerda, são tão diferentes do que soam, quando aplicadas. A Albânia entrou mais uma vez, neste domingo, nos tempos sombrios e, depois de anos de luta, cheguei a um ponto que só posso reivindicar com lágrimas nos olhos: que Deus esteja connosco!

“At the peak of darkness, the mafia ordered destruction, not only one of Europe’s most endangered Cultural Heritage Monuments, but also of any illusion of the existence of the rule of law in Albania,” said the president of Albania Ilir Meta on Facebook. Em Dezeen

Nossa história é incomum. Nós éramos tribos, quando outros estados evoluíram; permanecemos 500 anos sob o império otomano; quando chegamos à praia e começamos os primeiros passos, a comunidade internacional brincou connosco: tínhamos uma população amplamente ignorante. Tínhamos um longo caminho pela frente, mas o comunismo aconteceu e tudo o que tínhamos começado a aprender e desenvolver foi demolido. Nós saímos dos 45 anos de ditadura com pessoas que não eram mais “nem das tribos, nem do estado emancipado”. Foi esse dano cultural que o comunismo trouxe, ao impor algo antinatural à cultura local, que se reflecte ainda hoje como as pessoas entendem e se comportam.

Por favor, traduza e compartilhe, pelo menos as pessoas sensatas e sábias precisam saber o que está acontecendo, apesar de serem os albaneses quem deve mudar a situação. Com as forças internacionais a ajudar Rama e os seus interesses mesquinhos, estamos mais uma vez no meio de uma luta decisiva que diz respeito aos direitos humanos e à dignidade.

Desejo a todos um óptimo dia e, mais uma vez, peço desculpa por um e-mail tão desagradável
 
Abraços

P.S. Europanostra reclama contra a demolição do edifício em risco e anunciou a isso à União Europeia

Todo o terreno da imagem seguinte é do teatro. O partido não quer uma discussão pública, porque os seus arranha-céus estão a roubar o terreno público, que é 4/5 do território. O Primeiro Ministro e o presidente da Câmara estão envolvidos nisto, na primeira pessoa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s