A Pandemia Tornou a “Esquerda” num Circo proto-Nazi Deprimente e Decadente

Historicamente, as formas de totalitarismo mais perigosas, perniciosas e criminosas tinham a tendência de vir da ala direita do espetro político. A pandemia parece ter invertido esta tendência…

A pandemia neutralizou e estupidificou de tal forma a esquerda de forma a que esta se tenha tornado irreconhecível, sendo agora uma mera caricatura grotesca, igualmente patética e perniciosa, daquilo que poderia, e deveria ter sido. Para qualquer observador minimamente atento, é impossível não constatar a deriva fascizante a que estamos a assistir, e tudo isto com a conivência, e por vezes até apoio fanático e incessante, da “esquerda”. Hoje em dia, quando o Estado diz “mata!”, a esquerda grita “esfola!”

Aqui fica um breve resumo daquilo em que a “esquerda” se tornou.

**Um gajo qualquer de classe trabalhadora, sem poder político quase nenhum, diz uma piada parva e racista num café**

A resposta da esquerda é: “Fascista! Nazi!”

**os Estados começam a construir um novo sistema de identificação ultra-tecnológico, a fechar as pessoas em casa, a implodir o sistema nacional de saúde incluindo paralisar serviços essenciais como tratamentos para pacientes com cancro, a coagir ou obrigar as pessoas a aceitarem vacinas perigosas, ineficazes e experimentais, a censurar toda e qualquer informação divergente da narrativa oficial, e depois a ameaçar todos os que não aceitam qualquer que seja destes elementos com medidas discriminatórias e segregacionistas, inclusive retirar-lhes direitos essenciais sem os quais podem não somente ficar excluídos da sociedade, mas até morrer**

A resposta da esquerda é: “Fica em casa, salva vidas! Toma todas as vacinas que te disserem para tomar, são todas seguras e eficazes sem exceção! Se não concordas com isto és um perigo para a sociedade e mereces o que te poderá vir a acontecer!”

Algo aqui, durante esta pandemia altamente suspeita, correu muito, muito mal.

Como mencionei no texto “O Leninismo Já Estava Moribundo – Com a Pandemia, Morreu”, numa análise que infelizmente hoje em dia se aplica a toda a esquerda, reformista ou supostamente revolucionária, as sementes da destruição do contingente de esquerda já foram plantadas há muito tempo:

“A grande parte são ratos de biblioteca com pouca ou nenhuma preparação física, ora, nunca conseguiriam efetivamente fazer frente às forças do Estado na eventualidade de um real contexto de instabilidade política e eventual revolução. Estão obviamente à espera que outros façam o trabalho sujo da revolução em si, trabalho sujo o qual inclui necessariamente pôr a própria segurança, liberdade e vida em perigo- não há, afinal de contas, atividade mais ilegal e detestável aos olhos do Estado do que o trabalho revolucionário.”

Hoje em dia, até publicações capitalistas e de direita conseguem ultrapassar a esquerda pela esquerda, falando mais do que a própria esquerda sobre a incrível transferência de propriedade, riqueza e capital para a mão dos ultra-ricos, transferência essa que só foi possível por causa das medidas Estatais durante a pandemia, nomeadamente os confinamentos arbitrários e abusivos. Os ultra-ricos ficaram muito, muito mais ricos durante, e como resultado direto, da pandemia. E a “esquerda” quase nem pia.

Eu já decidi abandonar o circo de doentes mentais, betinhos, hipócritas, cobardes e colaboracionistas proto-Nazis em que a maioria da esquerda se tornou, e acreditem que o que digo sobre mim é verdade para muitas, muitas mais pessoas que ainda têm inteligência e integridade. Alguns, como eu, saem a gritar, enquanto que muitos mais saem pela calada, mas a debandada já começou, e tão cedo não vai abrandar.

As poucas pessoas que não se deixaram aterrorizar e chantagear pelo Estado durante a pandemia e que previamente se movimentavam por circuitos de “esquerda”, que se levantem, e façam o mesmo.

Espero estar errado, mas já não me parece haver qualquer esperança para esta “esquerda”.

 

João Silva Jordão

Nota editorial (2 de Dezembro de 2021): Foi adicionada, cerca de meia hora depois da publicação original, uma menção à transferência de propriedade e capital dos pobres para os ricos. Algumas horas depois foram feitas pequenas correções de gramática e pontuação.

Partilhar Artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
Artigos recentes
Inscreva-se no blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para se inscrever neste blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Join 333 other subscribers

Número de visualizações
  • 1.156.794 hits

4 respostas

  1. Os da extrema-esquerda já tinha tendência para apoiar modos totalitários, bastava ver apoia estados totalitários (China, Coreia do Norte, Cuba, Argentina, etc..), mas, o que julgo surpreender mais certas pessoas é a esquerda-moderada ter aoptado o mesmo discurso extremista.

  2. Esta Casa de Aranhas é um bom exemplo de como a extrema esquerda e a extrema direita partilham visões do mundo e se aliam na prossecução dos seus objetivos. São farinha do mesmo saco.

  3. Caro João, A cegueira ideológica de muita gente de ‘esquerda’ é de facto assustadora. Como é possível terem durante anos desconfiado dos poderes instalados – económico, financeiro, mediático, ‘bigpharma’, etc. – e agora acobardarem-se perante uma crise sanitária totalmente distorcida e politizada? Se não conhece, recomendo o site https://leftlockdownsceptics.com/ Parabéns por manter este espaço de comunicação livre!

Deixe o Seu Comentário!

%d bloggers like this: